O Segredo do Acemannan

A Aloe vera não é uma panacéia como alguns apregoam por aí, mas sob o ponto de vista científico é uma planta muito especial.
Ela contém um parênquima que é o principal órgão da planta com propriedades únicas que logo cedo se descobriu. Tem sido muito usado na antiguidade e ao longo da sua História até aos dias de hoje.
Os grandes lóbis comerciais, indústrias químicas, ou melhor, as indústrias farmacêuticas, tentaram patentear alguns elementos de sua composição com o intuito de monopolizar comercialmente o produto. Não houve resultados.
Os efeitos terapêuticos da Aloe vera não se devem a um determinado elemento contido e isolado na sua folha. É a toda uma sinergia específica que constitui a propriedade terapêutica dessa planta e é disso que vem todo um dilema e toda uma discussão.
Não se pode isolar e sintetizar os muitos elementos activos desta planta. Ela funciona tal e qual como uma orquestra. A sua “sinfonia” natural é o segredo da cura de muitos males.

O Suco Aloe Vera (um dos nomes científicos é a Barbadencis Miller, planta conhecida popularmente como “Miraculosa”, “Babosa”, “Chandala”, etc…), contém alto teor de uma substância denominada Acemannan. Sua estrutura química é representada por uma longa cadeia em forma de sacarídeo (açúcar) e pertence ao grupo dos mucopolissacarídeos. Acemannan é uma substância produzida pelo nosso corpo até a puberdade. Após esta fase precisa ser absorvida através da alimentação. Acemannan é parte constitutiva de todas as membranas celulares e sua presença é o que faz aumentar a resistência imunológica do organismo contra parasitas, vírus e bactérias causadores de enfermidades. É a base de todas as células do tecido conjuntivo, inclusive a pele, as mucosas, os tendões, articulações, as cartilagens e a parte de que se originam os ossos.

Acemannan é particularmente essencial ao perfeito funcionamento do líquido sinovial - aquela substância do organismo presente nas articulações. Pode prevenir a ocorrência de afecções como a artrite, e, em casos agudos, pode curar. Promove a absorção de água e nutrição do trato digestivo.

O Dr. John C. Pittman explica em seu relatório de pesquisa em “Health Consciousness” (vol.13, no. 1/1992), o seguinte: “Acemannan possui propriedades antivirais, antibacterianas e antimicóticas, que podem ajudar a controlar infestações por Cândida e estabilizar a flora bacteriana dos órgãos digestivos”.

Acemannan estimula a movimentação dos órgãos digestivos e contribui para a eliminação, pelo intestino grosso, de proteínas estranhas, causadora de alergias.

Acemannan tem efeito direto sobre as células do sistema imunológico. Ativa e estimula macrófagos, monócitos, anticorpos e também linfócitos T (células cujo papel é aumentar a resistência imunológica do organismo).

Experimentos de laboratório mostram que Acemannan serve de ponte entre proteínas estranhas e macrófagos (células matadoras) e favorece uma enormidade a captação dessas proteínas estranhas pelos macrófagos.

Esta função de ponte funciona como chave para o fortalecimento imunológico do núcleo celular, que em infecções, tal como HIV/AIDS estão em quantidade insuficiente.
Células protegidas pela presença de Acemannan não mais podem ser destruídas pelos vírus agressivos da AIDS/HIV. Os leucócitos recebem da Acemannan a mesma proteção. Acemannan quebra a capa das proteínas de células CANCEROSAS. Desta forma, células defensoras podem agredir e eliminar, efetivamente, as células tumorosas (do câncer, por exemplo). Acemannan protege a medula contra os prejuízos causados por venenos químicos e drogas impregnadas.

Por estar presente na membrana celular, o Acemannan pode proporcionar esta abrangente função imunológica e propicia, a um só tempo, tanto a desintoxicação como a atividade preventiva contra doenças. Essa desintoxicação influencia em todo o corpo, e tem como conseqüência uma enorme energização.

A força imunológica de Acemannan encontra-se também nas raízes de Ginseng, Astragalus (erva chinesa), cogumelos Reishi e Shiitake, como também na famosa barbatana de tubarão.

Além destes principais efeitos do Acemannan na Aloe vera, encontramos ainda na sua polpa as seguintes substâncias, entre outras: mais de 13 mucopoli e monopolissacarídeos, 12 antraquinonas, 20 espécies de sais minerais, 12 vitaminas, 15 enzimas, 19 aminoácidos (7 essenciais e 12 secundários), 4 ácidos graxos essenciais, saponinas, ligninas e óleos etéricos.

Lignina - esta substância celulosa está presente no gel de Aloé. Não tem efeitos medicinais conhecidos com excepção da propriedade de penetrar na pele humana facilitando assim a absorção de outras substâncias por esta.

Saponinas - Estas substâncias formam camadas de espuma quando misturadas com água. Tem propriedades anti-sépticas, de limpeza e anti-bacterianas e são muito utilizadas em detergentes, champôs e cosmética.

Antraquinonas - Existem 12 antraquinonas na folha da Aloé: aloína, isobarbaloína, antraceno, emodina, ester do acido cinâmico, ácido crisofânico, barbolina, antranol, ácido aloético, aloe emodina, óleo etéreo e resistanol. Estas actuam como analgésicos, laxantes naturais e contêm potentes propriedades anti-bacterianas, anti-fúngicas e virucidas.

Minerais - O Aloé Vera contém os seguintes minerais:

  1. Cálcio (essencial para a boa estrutura óssea e densidade dos dentes);
  2. Manganês (um componente das enzimas, necessário à activação de outras enzimas);
  3. Sódio (assegura que os fluidos do organismo não se tornem demasiado ácidos ou muito alcalinos);
  4. Cobre (assegura que o ferro funcione como transportador de oxigénio até aos glóbulos vermelhos);
  5. Magnésio (usado pelos nervos e membranas dos músculos para ajudar a conduzir os impulsos eléctricos);
  6. Potássio (regula os níveis de acidez e alcalinidade dos fluidos do organismo);
  7. Zinco (contribui para o metabolismo das proteínas, hidratos de carbono e gorduras);
  8. Crómio (necessário para o funcionamento apropriado da insulina que por sua vez controla os níveis de açúcar no sangue);
  9. Ferro (controla o transporte de oxigénio à volta do organismo através dos glóbulos vermelhos);

Vitaminas - O Aloé Vera contém muitas vitaminas:

  • Vitaminas A, C e E (antioxidantes cruciais para combater os radicais livres perigosos no organismo);
  • Vitamina B e colina (responsáveis pela produção de energia, metabolização dos aminoácidos e desenvolvimento da massa muscular);
  • Vitamina B12 (responsável pela produção dos glóbulos vermelhos);
  • Ácido Fólico (ajuda a desenvolver as novas células sanguíneas);

Aminoácidos - Estes são os blocos de construção das proteínas que processam e reparam o tecido muscular. O organismo humano necessita de 22 aminoácidos, 8 dos quais são os aminoácidos essenciais que o organismo não consegue produzir. O Aloé Vera fornece 20 dos 22 aminoácidos requisitados pelo organismo e fornece 7 dos 8 essenciais.

Enzimas - Algumas das mais importantes enzimas no Aloé Vera são: peroxidase, aliase, catalase, lipase, celulase, carboxipeptidase, amilase, fosfatase alcalina. As enzimas ajudam a fragmentar os alimentos e auxiliam na digestão. Algumas enzimas ajudam a dissolver a gordura enquanto outras dissolvem os amidos e os açúcares.

Açúcares - O Aloé Vera contém monossacáridos como a glucose e a frutose, assim como, polissacáridos. Estes são os açúcares mais importantes e benéficos ao organismo humano. Ajudam na correcta digestão, regulam os níveis de colesterol, melhoram o funcionamento das funções do fígado e promovem a remineralização dos ossos.

Esteróides vegetais - São importantes agentes anti-inflamatórios. Os que compõem o Aloé Vera são: colesterol, sitosterol, campesterol e lupeol. Estes esteróides possuem propriedades anti-sépticas e analgésicas semelhantes às da aspirina.

Existe, ainda, um volume crescente de evidências sobre um dos mucopolissacarídeos constituintes do Aloé, denominado de ACEMANNAN. Esta substância é parte integrante das membranas celulares, aumentando a resistência do organismo à presença e penetração de microrganismos nocivos.