Somos uma equipa coesa, dinâmica e séria no lema de que todas as pessoas deverão ter acesso a uma vida de qualidade.

A Aloe Vera pode ser boa para a doença renal ou pode fazer mal consoante o tipo de suco processado da folha

Aloé vera é uma planta medicinal natural com propriedades extraordinárias para tratamentos curativos internos e externos conforme atestado pelos inúmeros testemunhos ao redor do mundo. Contribui eficazmente para a beleza, para uma boa nutrição e para o bem-estar geral. É uma planta herbácea perene, que pertence originalmente à família das liliáceas. Suas folhas carnudas são ricas em mais de 205 ingredientes activos com muitas propriedades que no seu conjunto beneficiam a saúde, com exceção dos 12 antraquinonas compostos pelo óleo resinal, também designado por “Yellow Sap” ou “Aloína”.

 

 

O Tónico devidamente processado, isto é, sem o alto teor de polissacarídeos resultantes do concentrado resinal extremamente amargo, quando tomado internamente é útil para o tecido epitelial tanto quanto para a pele, como é o caso da boca e úlceras estomacais, dos seios nasais, intestinos, pulmões e trato genital. A Aloe funciona nas membranas e superfícies e é um excelente conector para as células T do sistema imunológico.

 

 

Embora a Aloe tenha sido usada desde tempos dos antigos egípcios para tratar problemas de pele e constipações, nos EUA a agência de saúde Food and Drug Administration removeu os laxantes (com base no óleo resinal de antraquinonas tóxicos) devido a preocupações de saúde e intoxicações. Os antraquinonas concentrados envenenam o sistema enzimático das células conforme demonstrado pelos estudos efectuados no Carrington Labs.

 

 

Por outro lado mesmo o sumo do Aloe purificado e descontaminado, pode em alguns casos interagir com alguns medicamentos fármacos, ao catalizar os efeitos nefastos das drogas (medicamentos) quando tomadas em simultâneo com o sumo. Por isso não se deve tomar drogas junto ou ao mesmo tempo que toma o sumo ou tónico.

 

 

As evidências preliminares sugerem que a polpa de aloé vera (devidamente purificada) pode ter efeitos benéficos em certos tipos de doenças renais. Um estudo publicado no “Indian Journal of Experimental Biology”, em 2004, mostrou que os animais de laboratório diabéticos com doença renal induzida por diabetes que lhes administraram a polpa tiveram melhorias nas suas doenças renais, em comparação com um grupo de animais que não receberam a polpa. Os autores sugeriram que a polpa de aloé pode ter efeitos protectores contra danos renais produzido por diabetes do tipo 2.

 

 

De acordo com o NIH (National Institues of Health), sumo de aloé amarelado, acastanhado, amargo, com elevados teores de polissacarídeos derivados do concentrado de aloína pode causar potencialmente grave lesão renal e, eventualmente, a morte. De fato, em 2002, o “American Journal of Kidney Diseases” publicou um relato de caso de um homem que foi hospitalizado com insuficiência renal depois de tomar um suco de aloé feito em casa (ou mesmo sendo o Processo de Folha Total). Após várias semanas de diálise renal, esta pessoa recuperou lentamente a função renal. O NIH adverte que, se tem doença renal, deve evitar mesinhas ou tomar sumos de Aloes que não são credíveis ou que contenham aloína.

 

 

A polpa isenta do concentrado de aloína e devidamente purificada e estabilizada é reconhecida por ser um dos melhores desintoxicadores do organismo, limpando a matéria mórbida do estômago, fígado, rins, baço, bexiga e é considerado o melhor, limpador de cólon conhecido. Estudos têm demonstrado que trata a indigestão, aflição do estômago e úlceras. Inúmeras pessoas afirmam que têm sido curadas de infecções artrite, bexiga e rins; cãibras nas pernas, prisão de ventre, hemorróidas, sistema imunológico, insónia, e de vaginites.

 

 

É também um excelente tonificante para irrigações vaginais, dá energia econtribui para o bem-estar.

 

 

Cuidado ao tomar sumos amargos, amarelados, acastanhados que digam “Wholle leaf process” ou “Folha Total” (ou mesmo sumos baratos duvidosos à venda em supermercados) pois têm um elevado teor dos 12 antraquinonas tóxicos que o suco amarelo contém. Se tomar esse tipo Aloe, pode experimentar alguns efeitos colaterais, como dores de estômago e cólicas, diz o NIH. Quando tomado em doses elevadas por um longo tempo, esse suco de aloé com aloína pode causar outros problemas graves, incluindo doenças cardíacas, fraqueza muscular, diarreia e perda de peso. Evite suco de aloé com aloína durante a gravidez ou amamentação.

 

 

Na Universidade de San Antonio, em 1997, o pesquisador Jeremiah Herlihy, Ph.D., realizou um estudo para observar os efeitos negativos de se beber diariamente um sumo de polpa sem o concentrado de aloína. Em vez de exibir os efeitos negativos, os animais do teste que receberam esse tipo de processamento de Aloe por dia mostrou uma redução notável na leucemia, doença cardíaca e doença renal. Dr. Herlihy concluiu: “Nós não encontramos nenhuma indicação de danos causados aos ratos até mesmo em níveis elevados.” Na verdade, os animais que beberam-o sumo do parênquima da folha realmente viveram 25 por cento mais do que aqueles no grupo de controle (Conferência IASC, Texas, 1997) Outro estudo semelhante com os mesmos resultados que mostra que o parênquima purificado reduz o envelhecimento das células foi efectuado pelo Dr. Ivan Dannhoff no seu laboratório em Dallas – Texas.

 

O Segredo do Acemannan

A Aloe vera não é uma panacéia como alguns apregoam por aí, mas sob o ponto de vista científico é uma planta muito especial.
Ela contém um parênquima que é o principal órgão da planta com propriedades únicas que logo cedo se descobriu. Tem sido muito usado na antiguidade e ao longo da sua História até aos dias de hoje.
Os grandes lóbis comerciais, indústrias químicas, ou melhor, as indústrias farmacêuticas, tentaram patentear alguns elementos de sua composição com o intuito de monopolizar comercialmente o produto. Não houve resultados.
Os efeitos terapêuticos da Aloe vera não se devem a um determinado elemento contido e isolado na sua folha. É a toda uma sinergia específica que constitui a propriedade terapêutica dessa planta e é disso que vem todo um dilema e toda uma discussão.
Não se pode isolar e sintetizar os muitos elementos activos desta planta. Ela funciona tal e qual como uma orquestra. A sua “sinfonia” natural é o segredo da cura de muitos males.

O Suco Aloe Vera (um dos nomes científicos é a Barbadencis Miller, planta conhecida popularmente como “Miraculosa”, “Babosa”, “Chandala”, etc…), contém alto teor de uma substância denominada Acemannan. Sua estrutura química é representada por uma longa cadeia em forma de sacarídeo (açúcar) e pertence ao grupo dos mucopolissacarídeos. Acemannan é uma substância produzida pelo nosso corpo até a puberdade. Após esta fase precisa ser absorvida através da alimentação. Acemannan é parte constitutiva de todas as membranas celulares e sua presença é o que faz aumentar a resistência imunológica do organismo contra parasitas, vírus e bactérias causadores de enfermidades. É a base de todas as células do tecido conjuntivo, inclusive a pele, as mucosas, os tendões, articulações, as cartilagens e a parte de que se originam os ossos.

Acemannan é particularmente essencial ao perfeito funcionamento do líquido sinovial - aquela substância do organismo presente nas articulações. Pode prevenir a ocorrência de afecções como a artrite, e, em casos agudos, pode curar. Promove a absorção de água e nutrição do trato digestivo.

O Dr. John C. Pittman explica em seu relatório de pesquisa em “Health Consciousness” (vol.13, no. 1/1992), o seguinte: “Acemannan possui propriedades antivirais, antibacterianas e antimicóticas, que podem ajudar a controlar infestações por Cândida e estabilizar a flora bacteriana dos órgãos digestivos”.

Acemannan estimula a movimentação dos órgãos digestivos e contribui para a eliminação, pelo intestino grosso, de proteínas estranhas, causadora de alergias.

Acemannan tem efeito direto sobre as células do sistema imunológico. Ativa e estimula macrófagos, monócitos, anticorpos e também linfócitos T (células cujo papel é aumentar a resistência imunológica do organismo).

Experimentos de laboratório mostram que Acemannan serve de ponte entre proteínas estranhas e macrófagos (células matadoras) e favorece uma enormidade a captação dessas proteínas estranhas pelos macrófagos.

Esta função de ponte funciona como chave para o fortalecimento imunológico do núcleo celular, que em infecções, tal como HIV/AIDS estão em quantidade insuficiente.
Células protegidas pela presença de Acemannan não mais podem ser destruídas pelos vírus agressivos da AIDS/HIV. Os leucócitos recebem da Acemannan a mesma proteção. Acemannan quebra a capa das proteínas de células CANCEROSAS. Desta forma, células defensoras podem agredir e eliminar, efetivamente, as células tumorosas (do câncer, por exemplo). Acemannan protege a medula contra os prejuízos causados por venenos químicos e drogas impregnadas.

Por estar presente na membrana celular, o Acemannan pode proporcionar esta abrangente função imunológica e propicia, a um só tempo, tanto a desintoxicação como a atividade preventiva contra doenças. Essa desintoxicação influencia em todo o corpo, e tem como conseqüência uma enorme energização.

A força imunológica de Acemannan encontra-se também nas raízes de Ginseng, Astragalus (erva chinesa), cogumelos Reishi e Shiitake, como também na famosa barbatana de tubarão.

Além destes principais efeitos do Acemannan na Aloe vera, encontramos ainda na sua polpa as seguintes substâncias, entre outras: mais de 13 mucopoli e monopolissacarídeos, 12 antraquinonas, 20 espécies de sais minerais, 12 vitaminas, 15 enzimas, 19 aminoácidos (7 essenciais e 12 secundários), 4 ácidos graxos essenciais, saponinas, ligninas e óleos etéricos.

Lignina - esta substância celulosa está presente no gel de Aloé. Não tem efeitos medicinais conhecidos com excepção da propriedade de penetrar na pele humana facilitando assim a absorção de outras substâncias por esta.

Saponinas - Estas substâncias formam camadas de espuma quando misturadas com água. Tem propriedades anti-sépticas, de limpeza e anti-bacterianas e são muito utilizadas em detergentes, champôs e cosmética.

Antraquinonas - Existem 12 antraquinonas na folha da Aloé: aloína, isobarbaloína, antraceno, emodina, ester do acido cinâmico, ácido crisofânico, barbolina, antranol, ácido aloético, aloe emodina, óleo etéreo e resistanol. Estas actuam como analgésicos, laxantes naturais e contêm potentes propriedades anti-bacterianas, anti-fúngicas e virucidas.

Minerais - O Aloé Vera contém os seguintes minerais:

  1. Cálcio (essencial para a boa estrutura óssea e densidade dos dentes);
  2. Manganês (um componente das enzimas, necessário à activação de outras enzimas);
  3. Sódio (assegura que os fluidos do organismo não se tornem demasiado ácidos ou muito alcalinos);
  4. Cobre (assegura que o ferro funcione como transportador de oxigénio até aos glóbulos vermelhos);
  5. Magnésio (usado pelos nervos e membranas dos músculos para ajudar a conduzir os impulsos eléctricos);
  6. Potássio (regula os níveis de acidez e alcalinidade dos fluidos do organismo);
  7. Zinco (contribui para o metabolismo das proteínas, hidratos de carbono e gorduras);
  8. Crómio (necessário para o funcionamento apropriado da insulina que por sua vez controla os níveis de açúcar no sangue);
  9. Ferro (controla o transporte de oxigénio à volta do organismo através dos glóbulos vermelhos);

Vitaminas - O Aloé Vera contém muitas vitaminas:

  • Vitaminas A, C e E (antioxidantes cruciais para combater os radicais livres perigosos no organismo);
  • Vitamina B e colina (responsáveis pela produção de energia, metabolização dos aminoácidos e desenvolvimento da massa muscular);
  • Vitamina B12 (responsável pela produção dos glóbulos vermelhos);
  • Ácido Fólico (ajuda a desenvolver as novas células sanguíneas);

Aminoácidos - Estes são os blocos de construção das proteínas que processam e reparam o tecido muscular. O organismo humano necessita de 22 aminoácidos, 8 dos quais são os aminoácidos essenciais que o organismo não consegue produzir. O Aloé Vera fornece 20 dos 22 aminoácidos requisitados pelo organismo e fornece 7 dos 8 essenciais.

Enzimas - Algumas das mais importantes enzimas no Aloé Vera são: peroxidase, aliase, catalase, lipase, celulase, carboxipeptidase, amilase, fosfatase alcalina. As enzimas ajudam a fragmentar os alimentos e auxiliam na digestão. Algumas enzimas ajudam a dissolver a gordura enquanto outras dissolvem os amidos e os açúcares.

Açúcares - O Aloé Vera contém monossacáridos como a glucose e a frutose, assim como, polissacáridos. Estes são os açúcares mais importantes e benéficos ao organismo humano. Ajudam na correcta digestão, regulam os níveis de colesterol, melhoram o funcionamento das funções do fígado e promovem a remineralização dos ossos.

Esteróides vegetais - São importantes agentes anti-inflamatórios. Os que compõem o Aloé Vera são: colesterol, sitosterol, campesterol e lupeol. Estes esteróides possuem propriedades anti-sépticas e analgésicas semelhantes às da aspirina.

Existe, ainda, um volume crescente de evidências sobre um dos mucopolissacarídeos constituintes do Aloé, denominado de ACEMANNAN. Esta substância é parte integrante das membranas celulares, aumentando a resistência do organismo à presença e penetração de microrganismos nocivos.

Aloe Vera - Rainha das Plantas Medicinais

Nov. 26, 03 009 A Aloe Vera é da família das Liliáceas e da espécie “Barbadencis Miller”- Ler “Polémica Sobre o Enquadramento Científico da Família das Aloes” . Não é um cacto, nem uma agava, piteira ou crassulácea. Não deve ter a designação própria de “Aloés”. A folha contém dois sucos fundamentais com mais de 200 ingredientes:

O GEL
Suco incolor da polpa (composto por um parênquima aquífero de 99,5% água), rico em agentes activos (205 princípios activos identificados) com filamentos de muco-polissacarídeos em quantidade adequada para benefício da saúde. Contém boas enzimas, 19 aminoácidos, minerais e algumas vitaminas bem como outros pequenos agentes terapêuticos como as ligninas, saponinas, acetilatos manosas etc. Esta polpa translúcida não é tóxica, porém contém algumas bactérias nocivas ao nosso organismo. Assim, todo o parênquima deve ser devidamente purificado, descontaminado e estabilizado.

A ALOÍNA
Suco amarelo, óleo resinal de Látex chamado também de Aloina. É uma droga laxativa, um concentrado tóxico composto por 12 antraquinonas, os seus constituintes dominantes, e uns pequenos antraglicósidos. Por causa dos seus efeitos nefastos, devido à sua grande concentração, este complexo não deve ser consumido . A sua comercialização como suplemento dietético e em sumos, foi proibida nos E.U.A. pela FDA em muito devido ao perigo dos seus constituintes activos. Estudos recentes feitos por uma universidade em New Jersey USA provam que estes antraquinonas são altamente perigosos.

A Força da NaturezaCOMO AVALIAR A OLHO NU

Para avaliar, a qualidade de um sumo de Aloe Vera, (de acordo com as normas regulamentares) a “olho vivo”, veja a sua cor. Tem que ser incolor, mais ou menos transparente (translúcido), não muito liquido como água, mais natural se tiver parênquima flutuante. Os pedacinhos de polpa devem ser incolores. (A polpa da folha tem 99,5% de água natural consistente da própria planta). Não deve ser amarelo ou castanho, o que sugere a presença, respectivamente de “Yellow Sap” (concentrado de antraquinonas), Aloina ou Aloe-emodina (castanho avermelhado) e outros contaminantes prejudiciais ao nosso organismo. A cor castanha pode significar também que o parênquima está oxidado. Nestes casos os seus polissacarídeos são muito elevados e prejudiciais. (também pelo facto de poderem acrescentar açucares).

Esta informação de um site espanhol está correcta:

El Aloe vera o zábila es una planta que ha sido utilizada, desde tiempos muy antiguos, para tratar un gran número de enfermedades. Las hojas de Aloe contienen dos componentes: el mucílago o gel y el látex. Este último es el líquido amarillo y amargo contenido en la corteza del cual se extraen antraglicósidos que producen un efecto catártico muy pronunciado. Además se ha reportado que estas sustancias y sus derivados son citotóxicas. El gel de Aloe vera contiene dos macromoléculas importantes: proteinas y polisacáridos. Las primeras tienen actividades que actúan en los procesos inflamatorios e inmunológicas. Las segundas, utilizadas como fuente de energía por la planta, tienen también actividades inmunomodulatorias que están relacionadas con propiedades benéficas del gel. La elaboración de un gel de Aloe vera que no fuese tóxico para la célula y que preservara sus propiedades benéficas.El protocolo diseñado contempla la extracción del gel de Aloe vera de las hojas, seguido de homogeneización y filtración a través de una columna de carbón activado (debido a que este procedimiento esta en proceso de patentamiento, no se pueden dar mas detalles). Este último paso puede ser substituído por precipitación con alcohol. Se determinó que este tratamiento elimina de los geles componentes aromáticos tóxicos como la aloina ó sus derivados. Como medida de las propiedades benéficas del gel se determinaron propiedades inmunomodulatorias del mismo. Presidenta de Fundabiomed. Para mayor información, Email: biomed@telcel.net.ve (atn:Dra. Flor Herrera)

Mais dados sobre Aloe Vera:

Reconhecida por muitos cientistas internacionais como uma planta com características únicas contendo justificadamente ambas propriedades curativas e de prevenção.

Usada ao longo da história, como medicamento natural para diversos casos de doenças e para o rejuvenescimento (A polpa da Aloe Vera tem propriedades que fazem retardar o processo de envelhecimento das células).

Dr. John P. Heggers (Ph.D.)

“Aloe Vera contém salicilatos e antranicinas, substancias activas que penetram no tecido celular cobrindo e protegendo a pele dos efeitos negativos do sol”.

“Aloe Vera contém também prostaglandinas, propiedades inibitórias que têm várias acções terapeuticas”.

“As evidências experimentais e clinicas apresentadas, mostram que a Aloe Vera tem também um potencial analgésico ou um anestético efeito devido ao perfeito enquadramento do magnésio no resto dos seus elementos. Tem sido provado o seu efeito anti-inflamatório bem como um melhoramento da corrente sanguínea.”

“As propriedades curativas da Aloe Vera têm de facto uma base científica.”

Dr. Ronald P. pelley (Ph.D.), Cientista Bioquímico:

“As substancias da Aloe Vera funcionam na prevenção de certas doenças, no alívio das dores e dão maior rapidez aos tratamentos curativos.”

“Irei investigar nas áreas onde o gel da Aloe Vera oferece potenciais vantagens: Na prevenção de doenças especialmente gastrointestinal e ulceras, no alivio das dores e na aceleração na cura das feridas.”

Dr. Ian Bier(N.D.), Dr. Alexander G.Schauss (Ph.D.)

“Revendo os estudos científicos que existem, a Aloe Vera provê suficiente evidência que prova também benefícios no tratamento da HIV. Um estudo experimental provou a eficácia da Aloe Barbadensis no tratamento de pessoas com o sistema imunológico afectado pelo HIV.”

“Aloe Barbadensis tem um interesse particular devido aos componentes imunologicamente activos que contém.”

“O Acemannan, (um acetilato manosa, específico encontrado na polpa da Aloe Vera) é um imunodulatório.”

Dr.Mc.Daniel, Dr.McAnalley, and Eng. White

“Estudos efectuados provam que a Aloe Barbadensis inibe a proliferação do herpes, sarampo e HIV-1.”

Dr. Hart, L.A., Nibbering, (P.H.)

“Existem efeitos positivos nos baixos constituintes moleculares do gel da Aloe Vera, no processo oxidativo do metabolismo na citotoxicidade, e na actividade bactericidal neutrofila do corpo humano.”

Dr. Wendell D. Winters, (Ph.D.)

“Pesquisas agora confirmam que as substancias da Aloe Vera têm uma forte interacção com as células do nosso sitema imunologico.”

PortAloe é sinónimo da pureza da polpa de Aloe Vera. Marca de qualidade internacional. Extração 100% natural do gel, sem o concentrado de aloína (látex entre a casca e a polpa também chamado de “yellow sap”).

O gel fresco extraído da folha é naturalmente incolor. O “filete” de gel é imediatamente estabilizado, descontaminado e purificado, de maneira a evitar alterar as suas propriedades naturais.

Produto 100% orgânico e natural.